segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Molho amarelo (tipo mac'n'cheese)

Feito no total improviso, esse molho "amarelo" ficou maravilhoso! Super rápido, e vai bem com qualquer massa curta. Na ocasião, comi com linguine, mas as massas longas ficam impossíveis de se comer com esse molho! Gruda tudo! HAHAHAH

Você vai precisar de:
Queijo cheddar picado
Manteiga (usei temperada com manjericão)
1 ou 2 colheres (sopa) de requeijão
Um pouco de água

Como proceder:
Derreta a manteiga/margarina numa panela. Acrescente o queijo picado e espere derreter um pouco. Pra evitar de grudar no fundo, abaixe o fogo e acrescente um pouco de água. Não, não vai ficar aguado!
Adicione o requeijão, dissolva bem, e misture tudo no fogo bem baixinho, até que o cheddar esteja totalmente desmanchado.
Sirva com massa curta, como parafuso, penne, etc.

Obs.: ao esfriar um pouco, o molho fica mais grosso e com nata! Então não se desespere se ele não ficar totalmente cremoso na hora.
Obs.2: colocando em média 100g de queijo cheddar, essa receita rende aproximadamente 2 porções fartas.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Molho de iogurte e manjericão para saladas


Imagem ilustrativa (daqui)

Você vai precisar de:
1 copo (americano) de iogurte natural
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 colher (chá) de óleo de gergelim
1 punhado (mais ou menos 1 colher de sopa cheia) de folhas de manjericão fresco*
1 dente de alho
sumo de 1/4 de limão
Sal a gosto
1 colher (sopa) de queijo parmesão ralado (opcional)

Como proceder:
Bata tudo, menos o limão, no liquidificador. Num recipiente separado, misture o limão cuidadosamente. Acerte o sal, se necessário. Sirva sobre salada (fica especialmente bom com rúcula, agrião, pepino e saladas de legumes cozidos!). Você pode guardar o que sobrar na geladeira por 1 semana (mas, é claro, que o molho perde o frescor das folhas verdes).

* Usei 3 variedades de manjericão que tenho em casa, acredito que você possa usar a que preferir. Você pode, ainda, misturar com o manjericão algumas folhas de hortelã (vai ficar bem fresquinho e mais adocicado), salsa, cebolinha ou tomilho.

Dica: eu sugiro usar OU o alho OU o parmesão nesse molho, pois, pessoalmente, a mistura dos dois deixa um sabor muito forte.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Smoothie de Açaí com Frutas

Ótimo para um café da manhã reforçado e cheio de energia, esse shake nem leva leite e é uma delícia cremosa e prática. Se você usa açaí batido com xarope de guaraná, não é nem necessário adoçar.
Você pode trocar as frutas (banana, melão) por outras que você prefira, como abacaxi, morango, amora, etc. E além disso, pode trocar o líquido por qualquer chá, suco ou até água de coco.


Você vai precisar de:
1 xícara (chá) de açaí batido congelado
1 xícara (chá) de gelo
1/2 xícara (chá) de água ou chá verde (ou um suco de fruta)
1 banana nanica picada
1 fatia de melão picado
1 colher (sopa) de granola
Sumo de 1/2 limão
2 castanhas do Pará (opcional)

Como proceder:
Bata tudo no liquidificador, até que os gelos já estejam completamente desmanchados. Sirva de preferência com canudos grossos de milk shake.

sábado, 1 de dezembro de 2012

"Mistura mágica" - base para sopas

Você vai precisar de:
3 batatas grandes
1 cebola grande
+- 1 litro de água
Azeite

Como proceder:
Lave bem a casca das batatas, retire os brotinhos e machucados e pique em pedaços desiguais. Deixe de molho em água.
Descasque a cebola e corte em rodelas. Numa panela de pressão, coloque o azeite para esquentar, despeje a cebola e refogue até a cebola dourar ou ficar transparente. Nesta fase, você pode adicionar alho também, fica a seu critério.
Escorra a batata picada.
Adicione então a batata sem a água e complete com a água limpa, de preferência já morna.
Cozinhe até pegar pressão, e depois disso por mais 5-7 minutos.
Desligue o fogo, deixe a pressão da panela sair. Espere arrefecer um pouco.
Bata tudo no liquidificador.
Como essa receita é bem grande, eu costumo dividir e duas partes, e congelar uma.
Na hora de fazer qualquer sopa, é só descongelar a sua mistura no microondas ou cozinhar junto dos outros legumes na panela de pressão.

Obs.: caso vá fazer cremes, o ideal é que essa mistura seja batida no liquidificador novamente, pois o amido provoca grumos e floquinhos estranhos, que podem deixar seu creme com textura incorreta. Mas se você for fazer uma sopa com pedaços, isso não é tão necessário.

Dica: você pode fazer esta receita com essa mistura, substituindo a batata e parte da água por 1/3 da receita de mistura base para sopas.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

"Omelete" de tofu

Confesso que nunca pensei em fazer omelete sem ovo, até conhecer o Chubby Vegan. Dia desses, eu peguei uns grãos de soja preta e fiz um "tofu" caseiro, mas não compactado pra cortar, e sim mais "granulado", semelhante a uma ricota ou algo assim. Eu usei como base a receita n. 30 desse site.
O problema é que o gosto não ficou dos melhores, e eu acabei não usando esse "queijo" pra nada, visto que achei o gosto de soja muito forte. Daí resolvi fazer uma espécie de fritada de tofu, ou omelete vegetal, pra ver se ficava mais aproveitável, mas decidi não usar batata (que normalmente serve pra dar a liga na "massa"), então usei a linhaça hidratada pra dar aquela textura gosmenta do ovo.
Aqui deixo sugestões do que colocar na omelete para deixar um sabor interessante, mas você pode colocar o que quiser e o que tiver em casa: ervilhas, milho, cebola, manjericão, etc.

Você vai precisar de:
1 xícara de tofu granulado/moído
1 colher (sopa) cheia de farinha de linhaça dourada hidratada com 4 colheres (sopa) de água
1/2 tomate picadinho
1 colher (sopa) de farinha de trigo
2 colheres (sopa) de champignons picados
Alho frito a gosto
Cebolinha fresca picada a gosto
Sal temperado (ou de ervas) a gosto
Pimenta do reino a gosto

Como proceder:
Misturar todos os ingredientes, certificando-se de que o tofu está sem pedacinhos, e fritar numa frigideira anti-aderente com um pouquinho de azeite. Comece com o fogo mais alto, e depois abaixe o fogo para que a fritada cozinhe por dentro sem queimar por fora. Virar para dourar os dois lados.

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Smoothie de Uva e Banana

Essa é uma ótima receita pra café da manhã, principalmente agora no calor! Quando você começar a tomar, não vai querer parar mais! Por isso eu sugiro que, se for fazer para toda a família, dobre ou triplique a receita.
Ele fica lindo mesmo como o da foto, numa cor rosada e com bastante espuma!


Você vai precisar de:
2 xícaras (chá) de suco de uva (de caixinha)
1 banana nanica picada
1 xícara (chá) de cubos de gelo

Como proceder:
Bata tudo no liquidificador, até que as pedras de gelo se desmanchem totalmente. Como normalmente o suco de uva já é adoçado, você não precisa nem adoçar!
Sirva num copo longo com canudo.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Risotto de Tomate e Alho

Simples, levando como elementos principais tomate e alho, apenas. O arroz usado foi o comum, polido, longo fino tipo 1, mas você pode, claro, usar arroz arbóreo, se tiver em casa.
Se você seguir pelo menos os ingredientes da receita, é certeza que obterá um risotto delicioso e que agradará a todos.
As medidas aqui descritas são aproximadas, pois foram obtidas de uma receita bem improvisada!


Você vai precisar de:
2 xícaras (café) de arroz
1 tomate picado em cubinhos
4 dentes de alho amassados
Tomilho-limão e manjericão frescos a gosto
4 colheres (sopa) de azeite
8 xícaras (chá) de caldo de legumes ou água
Sal a gosto
1 colher (sopa) de PTS miúda sabor bacon (opcional)

Como proceder:
Lave o arroz, escorra e reserve.
Numa panela, deixe o caldo/água esquentando.
Em outra panela, aqueça 2 colheres do azeite e doure o alho. Antes que ele comece e escurecer, acrescente o arroz e misture bem, "fritando" até que os grãos fiquem brilhantes. Adicione o tomate e refogue bem até que os pedaços comecem a amolecer.
Quando a água/caldo estiver quente, adicione uma concha no arroz, misture bem até começar a secar e repita a operação.
Observe até que o arroz comece a cozinhar, ficando com a parte externa mais macia, e então coloque o resto da água. Adicione o sal e as ervas.
Deixe cozinhar por alguns minutos (7-12), mexendo de vez em quando, até que a água esteja praticamente seca e o arroz esteja cremoso.
Ainda com o fogo ligado (baixo), acrescente o resto do azeite e misture bem, de forma que o risotto fique bem cremoso e emulsionado (ou seja, não tenha partes de água/óleo separadas nele).
Se quiser, acrescente 1 colher (sopa) de queijo parmesão ralado, misture bem e sirva.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Curau de Abóbora com Amoras

Certa vez vi uma receita de curau de abóbora perdida por aí... Fiquei com vontade de fazer, mas acabei não fazendo, e no fim perdi a receita. E, quando me vi cheia de abóboras em casa, tive que inventar uma receita nova. Como tinha ainda algumas amoras congeladas e orgânicas, resolvi unir as duas coisas, e o resultado foi maravilhoso!
Além de tudo, como sempre, a aveia conferiu ao curau uma textura incrível e o tempo de preparo ficou ridiculamente pequeno!


Você vai precisar de:
1 abóbora rajada pequena (depois de cozida e picada, dá 1 e 1/2 xícara de chá)
1 xícara (chá) de leite (pode ser vegetal, de aveia ou de soja)
2 colheres (sopa) de açúcar*
1 colher (sopa) cheia de aveia em flocos
Canela e cravo-da-Índia em pó a gosto
Para a montagem:
Um punhado de amoras frescas ou congeladas


Como proceder:
Cozinhe a abóbora, com casca, no vapor. Se for usar a técnica do saquinho, repita a operação de 1 em 1 minuto até que ela cozinhe, sempre esperando o saquinho esvaziar e esfriar antes de voltar ao microondas.
Espere a abóbora esfriar e retire com cuidado a casca, para não desperdiçar a "polpa". Guarda a casca, pois ela serve pra fazer outras receitas (fiz um risoto).
Bata a abóbora cozida, o leite, o açúcar*, a aveia e as especiarias no liquidificador até formar um líquido cremoso.
Leve a uma panela e cozinhe no fogo baixo, sempre mexendo, até engrossar (demora uns 5 minutos). Se quiser, nesta fase, adicione coco ralado.
Assim que adquirir consistência, retire da panela e deixe amornar.


Num refratário pequeno, coloque um pouco de amoras, cubra com o curau ainda morno, intercale com mais camadas de amoras e creme até o fim. Você pode finalizar com o curau ou com as amoras.
Leve à geladeira por pelo menos 2 horas antes de servir. Sirva bem gelado.

*Se você não quiser adicionar açúcar, você pode preparar o curau sem, e, assim que sair da panela, você pode adoçá-lo com o adoçante da sua preferência.



Obs.: se quiser um curau mais cremoso, você pode ainda adicionar algumas colheres de creme ou doce de leite.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Mini torta salgada de liquidificador (com massa laranjinha)


A massa é parecida com essa,  mas a receita é reduzida e leva dois ingrediente importante para dar cor: molho de tomate e farinha de milho! Ainda assim, temos uma opção de massa vegan.
Por ter textura bem firme, a torta fica prática e pode ser levada de lanche pro trabalho, pra escola, etc. Você só precisa ter cuidado com o recheio, para que ele não fique muito pesado e úmido, o que pode interferir na textura da massa e deixar a torta melequenta pra manusear.



Você vai precisar de:

1/2 xícara de farinha de trigo
1/2 xícara de farinha de milho
1  colher (sopa) de farinha de linhaça hidratada em 1/4 de xícara (chá) de água
1 colher (sopa) de fermento em pó
2 dentes de alho cru
1/2 xícara de chá de leite de aveia 
1/2 xícara (chá) molho de tomate
1/4 de xícara (chá) de óleo
Orégano ou manjericão a gosto
Sal a gosto (esqueci de colocar, mas ficou bom mesmo assim)

Como proceder:

Bata tudo no liquidificador, inclusive o alho, começando pelos líquidos e pela farinha de linhaça hidratada. Ajude o liquidificador mexendo com uma colher no cantos do copo. Deixe o fermento por último, só quando perceber que a massa já está homogênea.
Espalhe metade da massa na forma, coloque o recheio (a minha foi de queijo com cenoura ralada) e cubra com o resto. Se quiser, polvilhe a massa com gergelim ou orégano antes de levar ao forno.
Assar em forno médio por 30 minutos em média, mas faça o teste do palito e verifique a cor.

Obs.: para 1 receita usei uma forma quadrada de 15cm X 15cm (mas que é bem alta).



sexta-feira, 21 de setembro de 2012

"Molho branco" de aveia com amendoim (vegan)

Mais uma opção de molho branco, agora vegan, já que eu sou péssima com molhos brancos de leite de vaca, sempre coalham e ficam horríveis HAHAHAHA

Da série: a cara é estranha, mas o gosto é bom

Depois que comecei a fazer molho branco de leite de aveia, não quis mais saber de outra coisa, mas nesse dia estava com pouca aveia em casa e improvisei mesmo! Você pode trocar o amendoim (que é bem calórico e gorduroso) por outra coisa que prefira, como nozes, amêndoas, castanhas de caju, etc. Eu usei o torrado porque era o que tinha! Não faço ideia de como fique com ele cru (mas as amêndoas e nozes etc tenho certeza que fica bom mesmo cruas!).
Neste molho eu não peneirei nada, deixei com pedacinhos de amendoim e aveia no molho e achei legal, mas você pode passar numa peneira (não precisa ser pano) se preferir.
O rendimento dessa receita é bem pequeno, fiz só pra mim, então se for fazer algo pra muitas pessoas aumente bem a receita.


Você vai precisar de:
1/2 xícara (chá) de aveia em flocos
1/2 xícara (chá) de amendoim sem pele (usei torrado)
1 xícara (chá) de água
1 colher (sopa) margarina vegetal (usei temperada)
Sal e pimenta a gosto

Como proceder:
Coloque a aveia e o amendoim de molho na água por pelo menos 1 hora.
Depois disso, leve tudo ao liquidificador, bata bem por 5 minutos e reserve. Se quiser, coe o "leite".
Numa frigideira funda ou outra panela larga, derreta a margarina e acrescente o leite. Adicione sal e pimenta, misture bem e, com o fogo baixo, vá mexendo até dar uma boa encorpada (a textura é similar a de um mingau de aveia).
Eu usei esse molho pra cobrir um refogado de brócolis, cebola e vagem.

domingo, 16 de setembro de 2012

Shitake wakame noodles

Quer alguma coisa rápida, mas sem perder o sabor? Que tal um miojo sem aquele tempero de saquinho totalmente artificial?


Miojo "sem tempero" já é uma das minhas especialidades, o meu favorito é o com zathar e alho, mas esse mereceu uma postagem especial, pois apesar de ser muito fácil e rápido, é delicioso e tem todo um quê de comfort food.
Para uma pessoa:

Você vai precisar de:
1 pacote de macarrão instantâneo (descarte ou guarde o tempero em pó)
1 (ou mais) cogumelo shitake seco
1 colher (sobremesa) de alga wakame bem picadinha*
1 colher (chá) de margarina/manteiga temperada (usei de alho)
1 colher (café) de pasta de wasabi
Sal (se preferir, você pode trocar por shoyu) e aji-no-moto a gosto

Como proceder:
Hidrate o shitake em água quente e reserve.
Em uma panela, coloque a água (metade da quantidade indicada na embalagem do macarrão) para ferver e acrescente a pasta de wasabi.
Quando levantar fervura, adicione o shitake com a sua água, a alga, o sal e o macarrão. Retire o shitake e deixe amornar.
Abaixe o fogo e cozinhe, sempre soltando os fios de macarrão.
Pegue o shitake e retire o "cabinho". Corte o shitake em lascas e coloque no fundo de uma tigela de servir e adicione a manteiga.
Assim que o macarrão estiver aldente, desligue o fogo e adicione tudo (macarrão, caldo) na tigela, misture bem e, se quiser, finalize com pimenta moída na hora.



* pique bem a alga enquanto seca, pois depois de hidratada ela cresce, sei lá, 10 vezes e fica e-nor-me!

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Abobrinha "gratinada" sem forno

Pronta em menos de 20 minutos e perfeita para uma refeição apressada!
A receita é totalmente adaptável, e a abobrinha é só uma sugestão. Você pode fazer com vagem, ervilhas frescas, chuchu, batata, berinjela, brócolis - o que quiser - contanto que você cozinhe todos os vegetais separadamente no vapor. É importante pra essa receita apenas manter a natureza do leite (que sendo de aveia engrossa bem mais rápido) e a etapa de grelhar a abobrinha (ou outro vegetal à sua escolha). Os opcionais são realmente opcionais, e sem eles a receita é vegan. Como eu não sou vegan e sou gorda, fiz questão de colocá-los pra ficar mais gostoso =)

O "fundinho"

Você vai precisar de:
1 abobrinha média
1 xícara (chá) de leite de aveia (pode ser com resíduo)
1 dente de alho amassado
1 colher (sopa) de margarina vegetal
1 colher (chá) de amido de milho
1 colher (sopa) cheia de requeijão cremoso (opcional)
1 colher (sopa) de creme de leite (opcional)
Queijo parmesão ralado (opcional)
Sal e pimenta do reino a gosto

Como proceder:
Lave a abobrinha, corte as extremidades e fatie em rodelas não muito finas.
Coloque-as dentro de um saquinho plástico de congelar alimentos e faça todo o procedimento para cozinhar no vapor no microondas - utilize 2 minutos.
Assim que tirar as abobrinhas do microondas, leve-as a um grill aquecido. Doure de um lado, vire-as, e doure de outro. Desligue o grill e reserve.
Numa frigideira funda, aqueça a margarina até derreter, adicione o amido de milho (que pode ser farinha de trigo, se você tiver. Eu coloquei amido porque não tinha farinha xP), misture fazendo uma pastinha. Coloque a pimenta nesta hora, para que ela libere bem seu aroma.
Adicione o alho e frite-o até dourar. Se precisar, adicione um pouco mais de margarina ou azeite.
Coloque o leite de aveia, misture bem até dissolver, e, no fogo baixo, mexa sem parar até engrossar (o que deve levar uns 5 minutos).
Desligue o fogo, adicione sal a gosto, e se quiser, o requeijão e o creme de leite. Misture bem.
Para montar, é só colocar as abobrinhas em um refratário pequeno (usei um de 15x15cm) untado com óleo, colocando uma camada de abobrinha, uma de molho e ir alternando.
Para finalizar, você pode salpicar o molho da última camada com orégano ou queijo ralado.
É claro que se você preferir, pode levar tudo ao forno para dar uma reaquecida ou dourada, mas isso nem é necessário. A abobrinha, estando grelhada, já deixa aquele gostinho de "forno" e dá pra enganar bem!

Rendimento: duas porções.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Suco de hibisco com abacaxi cozido: potencial emagrecedor

Aqui temos um potencial emagrecedor porque eu não sei se realmente funciona. Como eu sou sedentária e faço certas loucuras gordas no fim de semana, não tenho muita esperança de ver funcionar, mas não custa tentar! E pra quem leva uma vida saudável, pode ser um ótimo aliado. O hibisco (Hibiscus sabdariffa) acelera o metabolismo e é conhecido por ajudar a "secar" a barriga. O abacaxi, como muitos já sabem, ajuda a queimar gordura e também é rico em fibras, entre outras vantagens. Uma coisa é certa: mal não vai fazer - e ainda é delicioso! Dá um pouco de trabalho sim, mas vale muuuito a pena.


Para 1 litro de suco, você vai precisar de:
1 colher (sopa) cheia de flores de hibisco secas*
1 litro de água fria
1 rodela (largura +-2cm) de abacaxi
1 colher (chá) de açúcar mascavo
1 pau de canela (opcional)
Adoçante e gelo a gosto

Como proceder:
1. Separe mais ou menos 300 ml de água e coloque o hibisco para hidratar. Deixe descansar por pelo menos uma hora.
2. Enquanto isso, descasque o abacaxi, pique e coloque em uma tigela que possa ir ao microondas. Adicione o açúcar (que serve pra cortar a acidez), cubra com água, misture bem e adicione a canela, se desejar.
3. Leve essa mistura ao microondas por 2 minutos, retire, misture e volte ao microondas por mais 2 minutos.
4. Retire a canela e reserve o resto até esfriar.
5 Quando o hibisco estiver hidratado e o abacaxi cozido estiver frio, junte tudo no liquidificador e complete com o que tiver sobrado da água. Bata na potência mais alta por pelo menos 1 minuto.
6. Coe o suco, volte-o para o liquidificador, adoce e adicione bastante gelo. Bata bem até o gelo ficar triturado e sirva.

*se você tem a sorte de ter um pé de hibisco em casa, você pode usar as flores frescas, então pode começar o suco do passo 2.

Obs.: o bagaço desse suco tem uma aparência tão linda que eu fiquei pensando se não teria alguma utilidade alternativa. Se alguém tiver uma ideia, aceito sugestões!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Como cozinhar legumes no vapor no MICROONDAS?

Eis uma técnica que, depois de aprendida, não deve nunca deixar de ser usada. É uma dádiva, uma coisa linda, prática, esplêndida. Eu não acreditava que desse certo, mas não preciso nem falar que deu SUPER certo e o resultado foi incrível. Com os legumes cozidos no vapor você pode fazer muitas receitas, sem perder a cor, os nutrientes e o sabor dos alimentos! E - respire fundo - SEM SUJAR LOUÇA! (tá, tá, agora pode gritar e pular)

Você vai precisar de:
1 porção* de legumes em pedaços não muito grandes (cenouras e batatas pode ser em tirinhas, vagens em pedaços de 3 cm, brócolis e couve-flor em florzinhas médias)
1 saquinho plástico de congelar

Como proceder:
Coloque os legumes dentro do saquinho. Se quiser, coloque sal. Amarre na ponta, deixando um espaço "vazio" entre o nó e os legumes, mas retire o excesso de ar.


Leve ao microondas por 1 minuto. Abra, verifique se o saquinho se encheu de ar e abra-o com cuidado, pois o vapor estará bem quente (como na pipoca).


Provavelmente já estará pronto! Aqui em casa, a cenoura e a batata eu tive que voltar no microondas por mais 1 minuto utilizando o mesmo processo pra elas ficarem no ponto certo.

TÁ-DÁ! Brócolis verdíssimos mesmo depois de cozidos

* Evite de colocar muito legume em um só saquinho. Eu medi no máximo 2 copos americanos de legumes pra cada porção. Um maço de brócolis ninja, por exemplo, tive que cozinhar em 4 etapas, para não lotar demais o saquinho e poder dar tudo certo. Mas levando 1 minuto pra cada porção, não custa nada fazer em partes, né?

Obs.: não faça um nó muito apertado no saquinho, pois dessa forma você pode usar o mesmo para cozinhar várias vezes. Dá pra usar o saquinho até ele estragar, furar rasgar, etc. Vamos pensar ecologicamente?!

Com meus brócolis no vapor fiz uma deliciosa receita!

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Salada de leguminosas com temperos frescos

Você vai precisar de:
1 xícara (chá) feijão fradinho
1 xícara (chá) feijão branco
1 xícara (chá) grão-de-bico
1 cebola bem picada
1/2 xícara (chá) de salsa fresca picada
1/2 xícara (chá) de cebolinha fresca picada
2 colheres (sopa) molho de mostarda escura
3 folhas de louro
sumo de 1 limão grande
Azeite a gosto
Sal a gosto
Água para o cozimento

Como proceder:
Cozinhe as leguminosas separadamente com 1 folha de louro em cada. Escorra, deixe esfriar e reserve.
Misture a cebola, salsa, cebolinha, mostarda, limão, azeite e sal. Adicione esse molho aos feijões e o grão de bico, misture bem para envolver o tempero e leve à geladeira antes de servir.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Sopa creme de legumes com feijão vermelho (sem batata)

Mais uma dica fácil pra dietas com restrições de carboidratos. O feijão vermelho foi adicionado por puro experimentalismo, mas, na verdade, apesar de conter uma boa quantidade de carboidratos (e ainda assim não tem tanto amido quanto uma batata ou mandioquinha), ele tem quase a mesma proporção de proteínas. Além de dar cor e sabor, o feijão ajuda a dar uma encorpada na sopa, para que ela não fique aguada.
Sinta-se livre para alterar as quantidades de legumes de acordo com a sua preferência.



Você vai precisar de:
1 cenoura
1 tomate
1 cebola
1/2 berinjela grande ou 1 pequena
1/4 xícara (chá) de feijão vermelho seco
2 dentes de alho amassados
1 folha de louro
1 cubo de caldo de legumes (opcional)
1 colher (sopa) de beterraba em pó (opcional)
Sal e pimenta a gosto
Água

Como proceder:
Escolha, lave e deixe o feijão de molho (não precisa ser com horas de antecedência).
Lave os legumes. Com uma faca de serra, raspe a cenoura pra tirar o "grosso" da casca. Dessa forma você preserva a maior parte do legume. Corte em rodelas.
Retire o pedúnculo do tomate e corte em pedaços grandes.
Faça o mesmo com a berinjela.
Descasque a cebola e corte em rodelas ou cubos.
Numa panela de pressão, coloque um pouco de azeite e refogue o alho. Quando estiver dourado, adicione a  cebola e refogue até murchar.
Acrescente o tomate, misture até começar a soltar água, e adicione 1 litro de água. Deixe começar a ferver.
Adicione o feijão, sem a água, coloque o caldo e os temperos e tampe a panela. Deixe cozinhar na pressão por 20-30 minutos.
O feijão não vai ficar 100% mole, mas não tem problema! Deixe a sopa esfriar e bata no liquidificador por uns 5 minutos, junto da beterraba em pó (se for usar), até não sobrar mais casquinhas do feijão. Nessa fase adicionei também uma colherada de PTS sabor bacon, mas acho que nem era necessário (nem pelo sabor, nem pela consistência).
Volte o creme para a panela, adicione mais temperos, se quiser, e acerte o sal.
Sirva bem quente e, se gostar, com pimenta calabresa moída.

Obs.: se você estiver fazendo dieta de restrição de carboidratos à noite, não coloque na sopa macarrãozinho, batata, mandioquinha, mandioca, abóbora ou farinhas.

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Pirão Vegetariano com Abobrinha

Eu nunca tinha feito pirão na vida quando inventei esse. Eu não sei até que ponto a receita segue as "normas", mas ficou muito boa. Tão boa que eu tive que comer esse pirão puro com bastante pimenta numa noite fria, foi um jantar bastante satisfatório e completo, sem nem uma gotinha de óleo.
Na minha receita "original" eu coloquei um pouco de frango desfiado, mas como achei que teria ficado melhor sem, resolvi transformar o pirão em algo vegetariano e substituir por um pouquinho de PTS.
Essa receita rende entre 4 e 5 porções bem fartas.

Você vai precisar de:
1 litro de água
1 xícara (chá) de farinha de mandioca fina crua
Quanto baste de PTS clara hidratada e desfiada
Quanto baste de purê de abobrinha
Curry
Tempero baiano
Coentro fresco picado
Pimenta calabresa
Alho frito e cebola desidratada
Beterraba em pó (opcional, você pode substituir por colorífico)
1 tablete/envelope de caldo de legumes (opcional)
Sal a gosto

Como proceder:
Dissolva a farinha na água e leve ao fogo médio, mexendo bem até começar a engrossar, e então abaixe o fogo.
Junte o resto dos ingredientes (lembre de caprichar na pimenta!) e continue mexendo até o pirão ficar bem transparente, por mais ou menos 20 minutos.
Para servir, uma opção para reforçar a proteína é adicionar cubos de queijo branco no recipiente que você vai servir e cobrir com o pirão.

Obs.: se você não gostar ou não quiser colocar a PTS, uma ideia é substituí-la por cogumelos. Eu colocaria shitake bem picadinho, mas fica a seu critério!

Obs.2: o purê de abobrinha pode ser substituído também, por algum outro que não seja muito rico em carboidratos, como de berinjela, chuchu, repolho e até cenoura. Você ainda pode aproveitar sobras da refeição anterior, como um refogado de couve, brócolis ao alho e óleo, etc.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Cookies de amêndoas e canela


Você vai precisar de:
2 xícaras (chá) de farinha de trigo
1 xícara (chá) de açúcar mascavo
1/2 xícara de manteiga com sal (usei manteiga de garrafa e achei que ficou muito gorduroso)
1/2 colher (sopa) de farinha de linhaça hidratada em 2 colheres (sopa) de água
2 colheres (sopa) OU MAIS de canela em pó
1/2 xícara de amêndoas picadas (piquei grosseiramente)
Água para dar o ponto

Como proceder:
Misture todos os ingredientes secos, e depois coloque a manteiga e a linhaça hidratada.
Misture até formar uma farofa úmida, e se a massa estiver sem liga, vá adicionando água de colher em colher, até conseguir manusear e moldar com as mãos. (nesta fase adicionei extrato de canela caseiro ao invés de água)
Molde os cookies (cortei usando a boca de um copo fino), usando um rolo de massas e tomando cuidado para não deixar a espessura muito grossa (pois pode ficar duro) e distribua-os numa forma anti-aderente ou untada com manteiga.
Leve ao forno por 20 minutos em temperatura média (no meu forno é 240°C) ou até perceber que os cookies estão sequinhos quando furados com palito.
Deixe os cookies esfriarem, de preferência em uma grelha ou algo que deixe passar o ar, pois os cookies só ficam crocantes mesmo quando frios.

Observações:
- Como disse antes, a manteiga de garrafa deixou os cookies um pouco gordurosos demais pro meu gosto, então eu vou tentar fazer da próxima vez com margarina, pra ver se dá certo. Provavelmente ficará menos crocante também.
- Você pode também substituir as amêndoas por nozes ou coco ralado bem grosso ou picado em pedaços pequenos.
- A canela que usei foi a javanesa, e "ralei" num ralador fino (de fazer raspas de limão) na hora, o que deu todo um sabor especial. Mas se você só tiver a canela comum em pó, também serve. Apenas atente à quantidade, pois, dependendo da manteiga que você usar, ela pode "ofuscar" um pouco o sabor da canela.

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

"Homus" de feijão carioca

Então eu tive essa ideia genial. Inventei a receita, provei, aprovei. OK. Mas sempre tem alguém que teve a sua ideia antes, não?
Mas enfim. Homus de feijão ainda não é um hit na web (até porque "homus" significa "grão-de-bico"). Embora devesse. A versão abrasileirada da receita árabe é uma ótima substituta, e não perde em nada em sabor. Talvez em nutrientes - visto que o grão de bico é rico em proteínas, fibras, gordura mono-insaturada e ferro, mas ainda assim vale a pena. O feijão e o grão-de-bico tem certas similaridades, e a textura macia é uma delas. Quando cozido sem sal e sem aquele monte de tempero que os feijões ensopados normais tem, o feijão carioca se torna uma leguminosa bem neutra, que dá pra combinar com quase tudo.
Como a minha versão é "fake", ela não leva ao pé da letra a receita original, que seria um "homus tahine". Mas garanto que tem seu valor!

Você vai precisar de:
2 xícaras (chá) de feijão carioca seco
2 dentes de alho cru
2-3 colheres (sopa) de azeite de oliva
2 colheres (sopa) de gergelim branco sem tostar / 1 colher (sopa) de tahine
Sumo de aproximadamente 1/2 limão
Sal, pimenta do reino, cominho e canela em pó a gosto
1 colher de creme de ricota ou requeijão (opcional)

Como proceder:
Deixe o feijão de molho por algumas horas, até inchar. Cozinhe-o, de preferência em panela de pressão, até ficar macio, mas não desmanchando. Os grãos devem ficar inteiros e a água não deve ficar "cremosa" ou muito turva. Reserve os grãos cozidos até esfriarem.
Num processador, junte o feijão e todos os outros ingredientes e processe tudo até não sobrarem casquinhas do feijão. Certifique-se de que não ficaram pedaços, especialmente do alho. Se a mistura estiver muito pastosa, você pode adicionar a ela, enquanto processa, algumas colheres da água do cozimento do feijão.
Sirva o purê regado com bastante azeite e salpicado com gergelim torrado, salsa fresca ou cebolinha picada.
Eu, particularmente, gostei da mistura desse homus com PTS de bacon.
Torre (por 5 minutos num grill ou frigideira anti-aderente) pedacinhos de pita e sirva junto.


quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Banana Chocolate Cake Pops/Balls

Esses docinhos são feitos quase totalmente a frio, por isso são práticos. Você não precisa cozinhar, nem deixar esfriar por mais de meia hora, como com brigadeiros. Ainda tem mais vantagens: não necessitam obrigatoriamente de confeitos para decorar/enrolar e você ainda pode aproveitar sobras de pão (aquelas pontinhas do pão de forma que ninguém come) ou daquele bolo que não deu certo (eu sempre faço bolos que não dão certo!).
Na minha versão dos cake pops, eu não usei palito, então ficou como um docinho de festa normal, um brigadeiro ou beijinho, pra colocar em forminhas de papel.
Se você optar por fazer em formato de pirulito (pops), apenas insira um palito específico em cada bolinha.



Você vai precisar de:
5 xícaras (chá) de farelo de bolo (usei 3 de bolo e 2 de pão processados, pra não ficar muito doce)
70g (+- meia barra) de chocolate meio amargo derretido
Purê (sem pedaços) de 1 banana
Chocolate/cacau em pó para enrolar

Como proceder:
Misture todos os ingredientes, se precisar use as mãos.
Leve a massa à geladeira por no mínimo 10 minutos.
Retire a massa da geladeira e, com o auxílio de uma colher, enrole as bolinhas e passe no chocolate/cacau em pó, peneirando para retirar o excesso, se necessário.
Coloque as bolinhas em forminhas de papel, ou, se preferir, coloque 01 palito de pirulito em cada uma.

Obs.: por ser uma massa firme e sequinha, alguns confeitos simplesmente não irão grudar nas bolinhas. Por isso, a melhor sugestão é o chocolate em pó, que é bem fininho e adere mesmo sem muito "grude". Se você fizer questão de usar confeitos, tente enrolá-los com as mãos para que afundem na massa. Outra sugestão é banhar as bolinhas em chocolate derretido.

Obs.2: se você preferir docinhos mais durinhos como bombons, aumente a quantidade de chocolate.

Rendimento: +- 20 bolinhas

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Suco de Melão com Maracujá e Ervas

Esse suco é extremamente mágico! Além de ser muito gostoso e revigorante, ele possui inúmeras propriedades: é calmante, digestivo, diurético, antioxidante, fortalecedor do sistema imunológico e até afrodisíaco!
Não tirei foto porque ele fica com uma cor meio marrom estranha. Caso você prefira ele bem verdinho, troque o chá de hibisco por outro chá de coloração verde da sua preferência, atentando às propriedades de cada erva. Não vá misturar chá verde, por exemplo, pois ele possui cafeína e atrapalha a função calmante desse suco.

Você vai precisar de:
500ml de chá de hibisco puro
2 fatias de melão picado
Suco de 1 maracujá
1 punhado de capim-cidreira picado
1 raminho de alecrim
1 pedaço de gengibre fresco (não maior que a falange distal do seu dedo)

Como proceder:
Bata tudo no liquidificador por 3 minutos, coe e adoce a gosto.

Obs.: se o maracujá estiver muito ácido, você pode acrescentar na receita 1 colher de café de açúcar.

Rendimento: 2 porções grandes, de 250-300 ml cada.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Purê de Abobrinha

Uma receita muito simples e que pode ser usada pra vários fins... Como recheio de massas, mistura para sopa, purê ou pirão, para misturar com carne ou PTS moída, como papinha para bebês... Use a imaginação! Lembre-se que essa é uma receita "base", que deve ser incrementada de acordo com seu gosto e disponibilidade de ingredientes.
Uma boa dica para esta receita é fazer um pirão de abobrinha.

Você vai precisar de:
1 abobrinha grande descascada*
100 ml de água
Sal e temperos a gosto (sugestões: pimenta do reino preta, curry, alho frito, salsa fresca)

Como proceder:
Numa panela de pressão, coloque a água, adicione a abobrinha picada, salgue e tampe.
Leve para cozinhar por 10-15 minutos depois de pegar pressão.
Ao retirar a abobrinha da pressão, verifique se ela está bem cozida. Ela deve estar bem mole para virar purê.
Amasse com um garfo ou amassador de batata, desprezando a água que sobrar*.
Tempere bem, e, se quiser, sirva com manteiga.

Obs.: se você não tiver uma panela de pressão, você pode usar uma panela comum, mas ela vai levar um pouco mais de tempo para cozinhar a abobrinha até amolecer.

*guarde estes ingredientes, você pode usá-los posteriormente em uma sopa, por exemplo.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Salada de Cenoura Agridoce

Para temperar esta salada, você vai precisar do molho de mostarda e mel.
Existem duas (ou mais) formas de preparar a cenoura: com um grill ou uma panela/frigideira.
Para ambos os casos, a técnica é a mesma. Você vai fazer um saquinho de papel alumínio e cozinhar indiretamente a cenoura. Dessa forma ela preserva os nutrientes, a cor e o sabor mais incríveis! E o melhor é que você suja quase nada de louça! =P



Você vai precisar de:
3 cenouras médias descascadas
Azeite
Sal, pimenta, ervas secas a gosto
Pedaços de canela de java
2 folhas de papel alumínio

Como proceder:
Corte as cenouras em 3 partes iguais, e corte cada uma delas em palitos, como french fries. Reserve.
Sobre um prato, abra as duas folhas de alumínio, uma sobre a outra.
Ajuste as folhas no fundo do prato, para não vazar nada, e coloque um fio de azeite, um pouco de sal e dos temperos que você vai utilizar.
Coloque as cenouras picadas, sem água.
Sobre elas repita o procedimento com o sal, azeite e temperos. Coloque no meio delas os pedaços de canela aleatoriamente.
Se quiser, dê uma misturada com cuidado, para não rasgar ou furar o papel alumínio.

Feche as folhas de papel alumínio, fazendo um papelote ou trouxinha. Certifique-se de que não fique nenhuma área descoberta ou que possa vazar. Coloque sobre as cenouras, dentro do papelote, um pouquinho de água (2 colheres de sopa no máximo). Feche bem o papelote.
Leve então ao seu grill em temperatura média por mais ou menos 10 minutos.
Se for usar panela/frigideira, coloque 1 dedo de água no fundo dela, aqueça a água antes e só depois coloque o papelote de alumínio. Cuidado para a água externa não entrar dentro do pacotinho.
Tampe a panela e aumente o fogo. Deixe cozinhar em fogo alto por mais ou menos 5 minutos, e quando ela estiver freneticamente borbulhante, abaixe bem o fogo e deixe cozinhar por 15-20 minutos.
Em ambos os casos, deixe o papelote esfriar ainda dentro do gril/panela/frigideira.
Quando estiver frio, retire as cenouras do pacote, separe os pedaços de canela.
Coloque as cenouras em uma tigela, tempere com 4-5 colheres (sopa) do molho de mostarda e mel e sirva (ou deixe na geladeira antes de servir).

Dica: quanto mais tempo a cenoura ficar marinando no tempero, melhor fica!

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Sopa de Grãos de Soja Preta com Verduras


Eu sei que parece nome de prato mal traduzido em cardápio de restaurante chinês, mas releve.
É mais uma daquelas que surgem de surpresa... ao final de uma história de improviso.
Eu estava em um momento de dieta com mínimo de carboidratos possível, e naquela loucura de se desdobrar em 10 pra criar algo pra um jantar - num dia frio - sem batatas, farinhas, massa ou coisa do gênero, cheguei nessa sopa. Ela se assemelha bastante a uma sopa de feijão de avó, mas optei por fazê-la mais rala e com verduras ao invés de legumes, e sem macarrão, claro.
As medidas são aproximadas. Como eu queria algo exótico, me joguei nos condimentos improváveis, mas se quiser você pode excluí-los ou substituí-los por outras coisas.

Você vai precisar de:
1 xícara de soja preta em grãos
Cravo-da-Índia e canela em pau
Aveia em flocos
Verduras: alface, acelga, repolho, couve
Cebola picada em tiras
Tomate e pimentão sem sementes
Cebolinha
PTS miúda sabor bacon e sabor cebola

Como proceder:
Primeiro, cozinhei por aproximadamente 20 minutos na pressão a soja com água, um pouco de sal, uns 2 cravinhos da Índia e uns pedacinhos de canela. Escorri (guardando o caldo), e separei em duas partes, sendo que uma congelei para uso posterior (fiz um kibe de forno).
A primeira metade dos grãos, juntei o caldo do cozimento e mais aproximadamente 1/2 litro de caldo de legumes (do cozimento de batatas e cenouras com alecrim) e bati no liquidificador, juntando 1 colher de sopa de aveia.
O caldo da sopa está pronto, apenas tempere e acerte o sal (caprichei no tempero baiano e na pimenta do reino). Não é preciso peneirar.
Coloquei as PTS e deixei hidratando no caldo enquanto fervia um pouco.
Como eu tinha do almoço uma verdurada pronta (com acelga, alface, repolho, couve, cebola, tomate, pimentão, cebolinha, alho e shoyu), apenas adicionei ao caldo e desliguei o fogo.
Se você for colocar as verduras frescas e o tomate, a cebola, o pimentão e a cebolinha, adicione-os, abafe com a tampa da panela, deixe o caldo fervendo até eles murcharem e reduzirem, cozinhe por mais uns 5 minutos e desligue.
Na hora de servir, coloquei no prato uns cubinhos de queijo branco, combinou muito bem!

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Bolo de milho salgado

A época de festa junina já passou... mas eu ADORO festa junina! Tem coisa melhor que muito milho, gengibre, cravo, canela, queijo... em quase tudo? Pra mim, esta é a melhor época do ano! E poderia ser o ano todo, né?
Esse bolo tem aparência e textura bem parecidas com a sua versão doce. Que tal fazer um de cada? Olha a overdose de milho aí, gente!
Esse bolo também fica ótimo recheado, uma dica é colocar cubinhos de queijo (e, se você gostar, presunto, linguiça, bacon... não é meu caso, hehe) na massa.
Essa receita rende um bolinho tipo inglês, então se for fazer uma super festa pra muita gente, dobre ou triplique a receita!



Você vai precisar de:

1 xícara (chá) de milho verde enlatado escorrido
1 xícara (chá) de farinha de milho (usei sêmola de milho e deu certo)
1/2 de xícara (chá) de óleo
1/2 xícara (chá) de queijo ralado
1 colher de sopa de farinha de linhaça (hidrate em 2 colheres de água)
1 colher de sopa de fermento em pó
1 ovo
Sal a gosto
Para temperar, sugestões: salsa e/ou hortelã desidratada, alho em flocos, curry, cravo em pó, pimenta do reino... (só não exagere para o sabor do milho não sumir)



Como proceder:
Bata no liquidificador o milho, o óleo, a linhaça hidratada e o ovo até perceber que já não resta mais pedaços de milho. Transfira a mistura para uma vasilha, adicione a farinha de milho, o queijo ralado, o sal e os temperos que preferir.
Bata manualmente com um fouet até encorporar tudo.
Acrescente o fermento, mexa delicadamente até misturar bem.
Leve a mistura ao forno médio em uma forma untada e enfarinhada (com a farinha de milho). Se quiser, salpique a massa com gergelim, alho em flocos ou orégano.
O tempo pode variar entre 30-45 minutos, dependendo do seu forno (no meu, por exemplo, a temperatura "média" é de 220°C, enquanto em outros é 180°C). Acompanhe a evolução e faça o teste do palito antes de retirar o bolo do forno.
Sirva quente com manteiga ou requeijão, que derretem sobre o pedaço de bolo. A textura dele ficou ideal também pra transformá-lo num lanchinho!


Fiz um sanduíche com queijo cheddar e grelhei

terça-feira, 17 de julho de 2012

Chocolate Quente com Linhaça

Mas por que linhaça? OH GOOOOD WHYYY???
Ah, porque eu achei que seria mais saudável que usar amido de milho pra engrossar. Fim.


Você vai precisar de:
1 caneca de leite (aproximadamente 300ml*)
4 colheres (chá) chocolate em pó (usei Ovomaltine)
3 colheres (chá) de mistura para cappuccino em pó
1 colher (sopa) de farinha de linhaça
1/2 colher (chá) de gengibre em pó
Pedacinhos de canela javanesa (pode ser outra)
Chocolate ao leite ralado a gosto (opcional)
Açúcar mascavo para adoçar (opcional)
1 colher (sopa) de cachaça envelhecida ou licor de sua preferência (opcional)

Como proceder:
Numa panela, coloque o leite frio, a linhaça, o gengibre em pó, a canela em pedaços, o chocolate em pó e o cappuccino em pó. Misture tudo até ficar bem dissolvido e acenda o fogo.
Misture em fogo bem baixo até começar a engrossar.
Adicione o chocolate ralado, se for usar, e só depois adoce, se achar necessário**.
A farinha de linhaça deixa "pedacinhos" da semente na bebida, mas como elas ficam "escorregadias", eu até gosto da sensação. Dá uma textura diferente. Mas se você não gostar, passe a bebida por uma peneira (assim você exclui também os pedaços de canela).
No fundo de uma caneca de cerâmica coloque a bebida alcoólica, se for usar, e complete com o chocolate quente.
Se quiser, salpique com canela em pó, aguarde uns 5 minutos (fica muuuito quente) e sirva.

Rende 1 porção.

* Use a própria caneca que você irá servir o chocolate quente para medir, assim você não faz nem mais nem menos do que o necessário.
**Atente às proporções de açúcar que você tem nos ingredientes, e suas variações, por exemplo: se usar achocolatado (ou Ovomaltine) ao invés de chocolate/cacau em pó, adoce menos. Se o seu cappuccino em pó  não tiver açúcar, adoce mais, e por aí vai. Preste atenção também no chocolate ralado, pois sendo ao leite, amargo, meio amargo ou branco, pede diferentes quantidades de açúcar ou adoçante. Atenção também à bebida alcoólica: se não for um destilado puro (como cachaça, vodka, rum) mas sim um licor, que tem açúcar na composição, você deve pensar em deixar a bebida menos doce para que, ao final, ela não fique enjoativa.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Alface refogada com molho de alga

Bom, não me perguntem como eu cheguei nisso. Eu sei que foi uma estonteante surpresa o resultado.
Passei nesse site de um restaurante chinês e vi, entre milhares de coisas estranhas, uma entrada que consistia em "alface refogado com molho de ostra", e achei que seria uma finalidade excelente para os 2 pés de alface americana que eu tinha na geladeira pedindo para serem lembrados nesse frio. Parece bastante aprazível, não? E é mesmo.



A minha receita me surpreendeu muito, e não só pelo sabor divino, mas pela facilidade do preparo. O molho - que não é de ostras - vai sobrar (é bem difícil fazer uma quantidade menor), então você pode guardar na geladeira pronto por umas 2 semanas, e da próxima vez que fizer esse prato, ele ficará pronto em 10 minutos!

Além de rápida, essa receita é vegana e possui poucas calorias e carboidratos. Para um prato mais elaborado, você pode acrescentar ao molho cebolas e alguns cogumelos orientais, como shimeji e shitake, que com certeza combinarão muito bem com a receita.
Ah, tenha em casa gergelins preto e branco tostados e bacon de soja, pois eles não só decoram o prato, mas também adicionam um sabor e textura indispensáveis.


Você vai precisar de:


Para o refogado
1 pé de alface americana picada em pedaços grandes e irregulares (não fica muito legal picar muito fininho)
Alho "pronto" a gosto (usei 1 colher de sopa, pois sou meio garlic addicted e estava sem alho fresco)
2 colheres (sopa) de óleo de gergelim ou azeite
Pimenta do reino a gosto

Para o molho
1/2 xícara (chá) de molho shoyu light
1 xícara (chá) de água
1/2 folha de alga nori (de fazer sushi/temaki) picada
1 colher (sopa) de amido de milho
1 colher (sopa) de melado de açúcar ou mel (dependendo da sua dieta)
Pedaço de gengibre ralado
Wasabi, pimenta do reino e Aji-no-moto a gosto
Mix de gergelins torrados e PTS sabor bacon* para salpicar sobre o prato


Como proceder:
Prepare o molho primeiro, dessa forma a alface não murcha enquanto você o prepara e fica mais fresca na hora de servir.


Molho
Numa panela larga (tipo frigideira, para cozinhar mais rápido), coloque todos os ingredientes antes de acender o fogo. Misture bem.
Com o fogo alto, misture até as algas começarem a derreter, e abaixe o fogo no mínimo.
Neste ponto a alga vai começar a exalar um forte cheiro de mar, mas não se preocupe pois o gosto fica bem suave, apesar disso.
Misture constantemente, sem parar de mexer, até o molho reduzir e as algas ficarem praticamente dissolvidas (elas ficam parecendo uma gelatina empelotada).


Textura do molho.


Refogado
Esquente numa frigideira o óleo/azeite. Adicione o alho, abaixe bem o fogo, e frite-o uniformemente até dourar. Adicione a alface picada e a pimenta, envolva-as no óleo com azeite, misture bem e refogue por 3-5 minutos, até que murche e reduza metade do volume.
Não deixe cozinhar demais e ficar amarelada.

Para servir, coloque a alface refogada num prato, cubra com um pouco do molho e salpique sobre tudo um mix de gergelins e bacon de soja.
Comer com hashis dá um toque especial!

Rende 2-3 porções (o molho rende 4-6).


*Tanto os gergelins preto/branco quanto a PTS saborizada (existe sabor bacon, carne, galinha, cebola, ervas...) podem ser comprados na Zona Cerealista, em São Paulo. Eu costumo comprar na loja Cerealista Bom Chá, mas tem outras lojas com bons preços (para fins de informação: pago R$ 7,80 o kg da PTS de bacon). Comprando a granel sai muito mais barato!

Obs.: com a mesma receita, você pode variar fazendo o refogado com acelga ou chingensai! Experimente!

Obs.2: é IMPORTANTE que você faça essa receita na hora de comer! Depois ela fica amarelada, murcha e sem graça, além de perder todos os nutrientes.


quarta-feira, 11 de julho de 2012

Ganache DE BANANA

Alguém me explica por que no mundo internético existe ganache de maracujá e de limão, mas não tem de banana?

Vale a pena ler a história desses cupcakes

Ah, outra coisa, universo: até eu que sou leiga em gastronomia sei que "ganache" define o creme de chocolate com creme de leite, e não uma sobremesa completa. Uma receita que leva chocolate, creme de leite, biscoitos, frutas, etc etc, NÃO é um ganache e sim uma torta ou um bolo COM ganache.
Bom, dito isso (ai, que alívio), quero dizer que a minha receita de ganache de banana tem a intenção de ser uma versão mais saudável e saborosa, eliminando o creme de leite. E aí vocês gourmets vão dizer "ai, mas aí não é ganache mimimimimi", mas não importa. O resultado é um creme que faz as vezes do ganache e serve como cobertura e recheio, e a textura (mais firme ou mais cremosa) depende apenas das proporções dos ingredientes. Use 1 parte de banana e 1 de chocolate para um creme mais cremoso e 1 parte de banana para 2 de chocolate para uma ganache mais firme, que não escorre em coberturas de cupcakes e não sucumbe sob o peso de uma camada de bolo. Lembrando que o chocolate amargo ou meio amargo é o mais "duro", e que, consequentemente, acaba deixando o creme mais firme mesmo com a textura "gosmenta" da banana.

Vai aí a receita para o ganache mais cremoso, da forma mais fácil de se medir. Essa fica ótima com sorvete de creme, se você não estiver de dieta, é claro.

My precious!

Você vai precisar de:
1 xícara de purê de banana (o tipo da sua preferência) sem pedaços
1 xícara de chocolate (o tipo da sua preferência) já derretido
Canela e cravo em pó a gosto (opcional)

Como proceder:
Partindo do ponto de que seu purê de banana está bem amassado e sem pedaços e o seu chocolate já está totalmente derretido e homogêneo, misture os dois ingredientes vigorosamente, até ficar homogêneo.
Se for adicionar especiarias, acrescente-as e mexa mais um pouco.
Espere esfriar um pouco antes de usar.

Obs.: para um ganache com "cara" de banana mesmo, o ideal é usar o chocolate branco, que permite que você veja as sementinhas e a cor da banana. Mas particularmente eu acho que o chocolate meio amargo ou ao leite combinam mais com o sabor da banana.

Obs.2: apesar de você ficar livre para escolher o tipo de banana a usar, eu aconselho o uso da banana nanica, que é, na minha opinião, a mais gostosa e ideal pra fazer purês.

Dica: se você for fazer uma quantidade razoável de ganache, você pode fazer o purê de banana em um processador, para garantir a uniformidade dele. O meu processador, pelo menos, não processa quantidades muito pequenas. Mas se você tiver um "mini", pode ser uma ideia também!

terça-feira, 10 de julho de 2012

Torta de Casca de Abóbora Japonesa


A abóbora "japonesa" dessa receita é aquela de casca grosseira e verde. A nomenclatura varia entre "kabotiã" e "kabotchá", então, como não sei ao certo, fica "abóbora japonesa" mesmo.
Mas antes de vocês ficarem com dó da abóbora porque eu estou chamando ela de casca grossa, devo dizer que a minha última melhor descoberta foi: casca de abóbora cozida é muito bom! É, tipo... uma delícia! Tem um gosto que lembra castanha portuguesa, e mesmo cozida sem açúcar algum, ela tem um sabor peculiar que varia entre adocicado e agridoce. Não dá pra explicar! Apenas cozinhe uma abóbora com casca e experimente. Você não precisa nem adicionar nada: a própria casca pura, cozida, sem sal, em pedacinhos, já serve como um bom appetizer.

Enfim, depois de comer muitos pedacinhos de casca de abóbora, resolvi dar um fim mais nobre à ela e inventei essa torta. A massa é uma versão salgada da massa da torta de maçã: você só precisa tirar o açúcar e em seu lugar adicionar 1 ou 2 colheres de água, de acordo com o ponto da massa. Ela deve ficar maleável e fácil de abrir com as mãos. Distribuindo essa massa no fundo de um refratário, é só fazer o recheio. Fiz tudo absolutamente a olho, então as medidas são aproximadas.
Se você quiser, você pode também fazer tortinhas em forminhas pequenas individuais, ficarão lindas!



Você vai precisar de:
Cascas de 1/2 abóbora japonesa cozida*
500ml de leite desnatado
1 colher (sopa) margarina
1 colher (sopa) farinha de trigo
2 colheres (sopa) queijo parmesão ralado
2 colheres (sopa) requeijão cremoso
1 colher (sopa) cheia de amido de milho dissolvido em 2 colheres (sopa) de água
Alho frito
Queijo prato/mozzarella
Salsa, manjericão e cebolinha frescos
Sal, pimenta e noz-moscada a gosto

Como proceder:

*Na verdade, tudo começa quando você cozinha a abóbora. Não tem segredo nenhum: lave a abóbora, retire as sementes (mas se quiser, pode retirar só depois de cozida).
Coloque dentro de uma panela de pressão com 1 dedo de água no fundo.
Não adicione sal, tempero, nada.
Cozinhe a abóbora inteira na pressão por aproximadamente 20 minutos (depois de começar a chiar).
Espere sair a pressão e esfriar.
Cheque com um garfo se a abóbora está macia.
Retire a abóbora da panela, e comece a "cavar". A sensação é a de manipular um mamão papaia, a textura é parecida e o que você vai fazer é o mesmo: tirar a "polpa" e deixar uma camadinha fina de casca.
Se você não conseguir tirar toda a parte amarela da abóbora, tudo bem. Um pouquinho de abóbora na parte de dentro da casca deixa ela mais "cremosa", acredite.
Estando a casca vazia, oca, você pode cortar em tirinhas, cubinhos, ou simplesmente partir em pedaços brutos com as mãos. Foi o que eu fiz.





Recheio da torta
Antes de tudo, vale lembrar que sou péssima com molhos brancos. Mas eu fiz o possível para ele engrossar sem coalhar, e sem precisar adicionar ovo.
Numa panela, derreta a margarina e dissolva nela a farinha, fazendo um creminho. Adicione um pouco do leite e misture bem, até homogeneizar.
Adicione o resto do leite, os temperos, o sal, o requeijão. Misture bem, abaixe o fogo.
Quando o molho começar a ferver, adicione o amido de milho dissolvido em água e mexa instantaneamente.
Adicione os queijos, se quiser, sem parar de mexer.
Coloque as ervas frescas somente quando o molho já estiver bem consistente.
Se necessário, acerte o sal.
Reserve.
Sobre a massa da torta ainda crua, distribua as cascas de abóbora. Eu piquei em pedaços grossos, mas você pode amassar ou picar bem picadinho, para o molho penetrar mais entre as cascas. Se você tiver cozinhado a abóbora sem sal, é bom salpicar um pouco de sal sobre elas.
Quando o molho já estiver mais frio, despeje sobre as cascas de abóbora.
Se você quiser, você pode colocar antes do molho algumas fatias de queijo.


Acerte a aparência do molho, alisando com uma colher e nivelando-o.
Polvilhe queijo ralado por cima, e leve ao forno pré-aquecido na temperatura mais baixa (no meu forno é 200°C) e deixe gratinar por 40-55 minutos. Quando o molho estiver dourando, desligue o forno.
Espere a torta esfriar um pouco antes de cortar, pois, do contrário, o molho vai escorrer e o recheio vai ficar todo desmanchado.



quarta-feira, 27 de junho de 2012

Pão de ervilha e ervas

Mais uma vez, revirei a internet do começo ao fim atrás de uma receita de pão de ervilha. Como não encontrei nada satisfatório, fiz uma colcha de retalhos usando várias receitas, e cheguei nisso. Foi baseada principalmente nessa receita.
Pra esta receita, você ainda tem a liberdade de acrescentar mais cereais, castanhas, sementes ou outras ervas, como orégano, tomilho, alecrim, etc. Faça a combinação que mais te agrade!
Mas garanto que quaisquer que sejam os "temperos", o pão tem um sabor maravilhoso! Ligeiramente adocicado, com sabor bem suave de ervilhas, as ervas se sobressaem e tornam a massa extremamente aromática. A textura é firme, um pouco quebradiça por não conter ovo, mas fica crocante por fora quando aquecido em chapa, e mais macia por dentro.
Você quer mais um motivo pra fazer? Essa receita é 100% vegetal =)

Rendimento: 6 pães em forma de muffins (direita), um pãozinho de "hamburguinho" (esquerda) e 1 baguetinha recheada. Alternativamente, faz uma forma de bolo inglês cheia.

Pra todos os gostos!

Você vai precisar de:
4 xícaras (chá) de farinha de trigo
5g (meio pacotinho) de fermento biológico seco instantâneo
1/2 xícara (chá) azeite de oliva
1 e 1/2 xícaras de água
1 pitada de sal
1 colher (sopa) de açúcar
1 lata de ervilha escorrida
2 colheres (sopa) de gergelim branco torrado (opcional)
1 colher (sobremesa) de hortelã seca
1 colher (sopa) de orégano seco
1 punhado de manjericão fresco

Como proceder:
Bata no liquidificador o fermento, o azeite, a água, o sal, o açúcar, a ervilha e o manjericão (não precisa picar).
Transfira o conteúdo para uma vasilha, coloque a hortelã e o gergelim (se quiser decorar, separe 1 colher de sopa para salpicar ao final) e sobre o líquido peneire a farinha de trigo aos poucos, e vá misturando até ficar uma massa homogênea e bem grossa.
A massa fica bem mole, ela não vai ser moldada, a não ser que você adicione mais farinha (mas isso pode deixar a massa seca e dura). Então apenas deixe-a lisa e coloque a mistura numa vasilha untada com óleo para descansar. Como sou impaciente (e usei fermento instantâneo), deixei fermentar por menos de 1h.
Aqueça o forno a 180°C.
Coloque o pão em uma forma de bolo inglês untada e enfarinhada (ou com papel manteiga) OU em pequenas forminhas de muffins, como eu fiz. Se quiser, salpique com gergelim por cima. Eu usei ainda minha mistura amarela para massas.
Leve o pão ao forno por 35-45 minutos.
Sirva ainda quente, preferencialmente com margarina (quem não gosta daquele efeito de derretimento causado pelo calor do pão, né?).


Obs.: Se for rechear o pão, certifique-se de que não há muitas camadas de massa sobrepostas. Se isso acontecer, a massa ficará cozida e meio encruada. Eu tentei fazer um roll com essa massa, mas a massa que ficou por dentro não assou direito e deu nisso!


Meu pão recheado que não ficou essas coisas.
Dica dos campeões: guarde os pães, já frios, em um saquinho plástico fechado na geladeira. Para um café da manhã delicioso, corte o pão em fatias grossas, leve a um grill ou sanduicheira para torrar um dos lados, retire e passe margarina. Hmmm, fica ma-ra-vi-lho-so! Especialmente com um chá mate quentinho.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Bolo de cenoura formigueiro

Criado numa noite de insônia, esse bolo acabou se revelando uma agradável surpresa. Infelizmente, para manter a fofura e aeração ideais, esta receita deve levar ovo. Se alguém testar fazer com substitutos e conseguir o mesmo resultado, me avise! Prefiro não usar ovos nas receitas.
Essa massa pode ser feita também em forminhas de muffin ou cupcake. Ela é baseada em uma massa especial para muffins, então: sem problemas!




Você vai precisar de:
1 cenoura crua picada
1 e 1/2 xícara (chá) farinha de trigo
1 xícara (chá) açúcar
1/4 xícara (chá) óleo
2 ovos
1 colher (sopa) rasa de fermento em pó
100g de iogurte (usei sabor laranja, 1 copo desse tipo)
4 quadradinhos de chocolate meio amargo ralado (aproximadamente 40g)
Cacau ou alfarroba em pó para polvilhar (opcional)

Como proceder:

Bata tudo, menos a farinha, o fermento e o chocolate no liquidificador.
Transfira a mistura para uma vasilha, acrescente a farinha aos poucos e misture bem com um fouet.
Quando a massa estiver homogênea, acrescente o chocolate e o fermento e mexa delicadamente.
Distribua numa forma (de preferência de buraco central) untada e enfarinhada, salpique com o chocolate ou alfarroba em pó e leve ao forno médio (180-200°C) por 30 a 40 minutos. Faça o teste do palito antes de retirar do forno.


Coloquei pouco chocolate ralado no meu =(

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Maxixe ou chuchu à italiana


Parece nada-a-ver, né? Mas a ideia inicial era que fosse berinjela. Mas não achei berinjela, e teve que ser com o que achei!
Essa receita é baseada em uma receita de berinjela à italiana que só a minha avó sabia fazer! Ela cozinhava a berinjela direto no molho e depois adicionava queijo por cima. Ficava absolutamente incrível. Tentei chegar o mais próximo possível. O alho, o manjericão fresco e a pimenta calabresa são essenciais pra dar o ar italiano na coisa toda.

E o melhor é que dá pra fazer com quase qualquer legume:  além do maxixe e do chuchu, dá pra usar berinjela, batata, mandioquinha, abobrinha... E é bem rápido! Esta receita rende de 2 a 3 porções.



Você vai precisar de:
10 maxixes ou 1 chuchu grande
2 xícaras de molho de tomate (pode ser pronto ou feito em casa)
2 xícaras de água
2 dentes de alho
1 colher (sopa) cheia de tomate seco em flocos*
1 colher (café) de açúcar
Azeite
Pimenta calabresa, manjericão fresco e sal a gosto

Como proceder:
Descasque e pique os maxixes/chuchus da forma que preferir. Reserve.
Amasse o alho e refogue no azeite até dourar. Adicione 1 xícara do molho, misture bem, e acrescente toda a água.
Quando começar a ferver, adicione os vegetais.
Tempere com pimenta e manjericão, se quiser, adicione outros temperos.
Deixe cozinhar em fogo baixo por mais ou menos 15 minutos, ou até o maxixe ou chuchu ficar transparente.
Acrescente outra xícara de molho, misture bem, deixe ferver por mais 5-10 minutos e desligue o fogo.
Se quiser, adicione, alguns minutos antes servir, um pouco de queijo ralado (queijo de verdade, não aqueles de saquinho!) sobre o prato, para que ele derreta.
Sirva bem quente, com arroz branco ou risoto, para dar um ar mais italiano.

A minha receita foi 1/2 maxixe em rodelas e 1/2 chuchu em cubinhos

*o tomate seco em flocos eu compro na Zona Cerealista e ele já vem assim. Mas se você tiver algum outro tipo de tomate seco, você pode picar ou partir em pedaços menores e usar.

terça-feira, 19 de junho de 2012

Molho para churrasco vegetariano

Para os meus espetinhos de berinjela, cebola, tomate-cereja e pimentão, esse molho ficou divino! Se você tiver em casa cogumelos como shitake e shimeji, você pode colocar nos espetos shitakes inteiros e raminhos de shimeji envolvidos nesse molho.
Ainda não testei, mas acredito que até mesmo para um churrasco "normal", com carne, esse molho fique bom, dando um toque exótico a um churrasco comum.



Você vai precisar de:
2 colheres (sopa) de molho shoyu
1 colher (sopa) de molho de mostarda escura
1 colher (sopa) de molho barbecue vegetariano*
1 colher (sopa) de molho de alho
1 colher (chá) de zathar
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
Sal, pimenta do reino e aji-no-moto a gosto


Como proceder:
Numa tigela, misture todos os ingredientes com um garfo ou fouet até ficar homogêneo.
Se for fazer espetinhos, passe-os nesse molho com 1h de antecedência, e depois leve à churrasqueira ou grill.


Se for fazer "bifes" ou outro tipo de churrasco sem espetos, tempere a "carne" com esse molho, deixe apurar, e leve à churrasqueira ou grill.

 *o da marca Mavi não contém carne nem derivados, mas não conheço a composição dos molhos prontos de outras marcas, como Masterfoods, Kenko, Hunt's, Uncle Ben's, Heinz, etc.

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Mandioquinha com cebola caramelizadas com shoyu e curry

Um prato acidental. Muito simples e rápido, mas não pra qualquer paladar. Por ter sabores marcantes com shoyu e o curry juntos, esta receita tem um ar oriental e vai agradar quem gosta de sabores exóticos. Uma ótima dica para vegetarianos que tem pressa!


Daqui


Você vai precisar de:
1 mandioquinha grande ou 3 pequenas
1 cebola grande
1 colher (sopa) açúcar refinado
1/3 xícara (chá) shoyu
1 xícara (chá) água
1 colher (chá) curry
1 colher (sopa) óleo
Pimenta do reino a gosto

Como proceder:
Descasque a mandioquinha e corte em rodelas finas. Reserve.
Descasque e corte a cebola em rodelas.
Numa frigideira não muito rasa, coloque o óleo para esquentar e adicione a cebola. Refogue até começar a ficar transparente, e adicione o açúcar. Mexa instantaneamente, para não grudar no fundo e queimar. Assim que o açúcar estiver bem derretido, coloque o shoyu e a água. Misture bem.
Acrescente o curry, a pimenta e qualquer outro tempero que queira.
Adicione as rodelas de mandioquinha e deixe cozinhando com a panela tampada por aproximadamente 10 minutos, ou até a mandioquinha ficar transparente e absorver o molho escuro, que deve ficar quase seco, apenas "cremoso". Verifique se a mandioquinha está macia e desligue.
Sirva com arroz branco ou arroz integral.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Sopa cremosa de batata com feijão branco

Você vai precisar de:
2 batatas grandes (usei 1 inglesa e 1 doce)
1 xícara (chá) de feijão branco cozido
2 xícaras (chá) de caldo do cozimento do feijão
1/3 de xícara (chá) de PTS sabor bacon*
2 folhas de louro
Pimenta do reino, sal e temperos verdes a gosto

Como proceder:
Descasque e pique as batatas em pedaços irregulares, tentando "quebrar" os pedaços ao invés de fazer um corte reto com a faca (este procedimento ajuda a batata a liberar o amido, e consequentemente engrossar mais a sopa).
Numa panela de pressão, cozinhe a batata com água suficiente para cobrir 2/3 do volume, pelo menos.
Depois de cozida, deixe a batata amornar e leve ao liquidificador com o feijão, o caldo de feijão e a PTS. Bata  bem, até não sobrar nenhum pedacinho ou casquinha de feijão.
Volte a sopa para a panela e adicione o louro. Deixe ferver, mexendo de vez em quando para não grudar no fundo, acerte o sal e tempere.
Sirva bem quente e acompanhada de torradas (Crocantíssimo cai muito bem), queijo ralado, salsinha fresca picada e/ou pimenta.

* se não tiver ou não gostar de PTS saborizada, use um sachê de tempero para feijão.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Mousse de 2 queijos e alho

Cremoso, muito saboroso, ótimo pro lanche. Este "patê" é uma forma diferente de servir os amigos no café da tarde. Além disso, substitui muito bem o queijo e outros "temperos" em sanduíches, tornando-os muito mais rápidos de preparar.

Fica lindo na mesa!


Você vai precisar de:
3 dentes de alho grandes (não usei MAIS do que isso)
1 peça pequena de queijo minas frescal (entre 400 e 500g)
1 xícara (chá) maionese (pode ser substituída por requeijão cremoso)
1 xícara (chá) água quente
1 xícara (chá) queijo parmesão ralado
1 caixinha de creme de leite
1 pacotinho de gelatina sem cor e sabor
Manjericão ou salsa fresca a gosto
Sal a gosto

Como proceder:
Descasque os dentes de alho e corte no meio no sentido do comprimento. Retire o "miolo", a partezinha mais verdinha do alho, pois é o que deixa o gosto forte e amargo.
Bata no liquidificador a água quente, a gelatina e o alho, até desmanchar bem.
Junte os outros ingredientes e bata até obter uma massa uniforme.
Unte uma forma com bastante azeite de oliva, e despeje a massa.
Leve à geladeira por, no mínimo, 4 horas, até endurecer e ficar bem firme.
Quando estiver firme, solte as bordinhas com uma faca (se for necessário), e vire num prato.
Decore com ervas verdes e azeite, e sirva com torradas, crackers, carnes brancas, etc.


Obs.: eu não sou fã de maionese, mas juro que ela não deixa gosto marcante na receita. Mas, se por algum motivo você tiver restrições com esse ingrediente, substitua por um requeijão cremoso bem firme e faça uma mousse de "3 queijos".
Obs.2: esta receita combina muito bem com salada de pepino também!
Obs.3: você pode também substituir o parmesão por qualquer outro queijo ralado. O próprio parmesão tem um gosto bem forte que marca bastante junto do alho, então se for substituir, use queijos suaves! Nem pense em roquefort e gorgonzola!

terça-feira, 22 de maio de 2012

Brigadeirão de capuccino

Esse brigadeirão, além de uma delícia, é bem fácil de fazer e fica super cremoso. Usando a cobertura de creme de leite, ele não fica nem um pouco enjoativo e vai agradar qualquer pessoa!


Você vai precisar de:
2 ovos
1/2 pacotinho de pudim sabor baunilha (se não for usar, adicionar mais 1 ovo)
1 colher (sopa) margarina
1 lata de leite condensado
1 lata de leite
1 xícara de cacau em pó
2 colheres (sobremesa) de café solúvel

Como proceder:
Pré-aqueça o forno em temperatura alta. Bata todos os ingredientes no liquidificador, reserve. Unte uma forma de buraco no meio com margarina e, se quiser, polvilhe com chocolate em pó.
Despeje a mistura na forma e leve em banho-maria* ao forno alto por 40 minutos, depois abaixe a temperatura do forno para média-baixa e deixe mais 20/30 minutos, ou até que, espetando um garfo, ele saia relativamente limpo.
Retire do forno, deixe esfriar sem a água. Quando já estiver frio, leve à geladeira por mais ou menos 2 horas, ou até ficar bem gelado. Desenforme e cubra com a cobertura de sua preferência.

Sugestão de cobertura: 3/4 de xícara de creme de leite light + 2 colheres de sopa de achocolatado. Misturar bem e jogar sobre o pudim.

* para assar o brigadeirão em banho-maria, coloque a forma com o pudim dentro de outra forma um pouco maior, e preencha a forma externa com água deixando 1 dedo sem, para não transbordar.

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Quentão de melão

Isso mesmo! Quentão de melão. Não é necessariamente um quentão, mas faz o papel de um, especialmente quando está friozinho... hmmm!

Você vai precisar de:
3 xícaras de melão picado
2 col. sopa de açúcar
1 col. sopa de gengibre ralado
500ml de suco de laranja
500ml de água
1 xícara (chá) de sake (ou outro destilado de sua preferência)
Cravos inteiros e canela a gosto
Adoçante a gosto

Como proceder:
Numa panela, coloque o açúcar com os cravos e a canela, adicione uma colher de água e ferva até engrossar.
Adicione o melão e o gengibre, cozinhe-os no açúcar envolvendo bem todos os ingredientes, e adicione o resto da água.
Aumente o fogo e deixe cozinhar até ferver.
Adicione o suco de laranja e o sake, desligue o fogo e sirva quente. Adoce na hora, se for usar adoçante.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Tempero Verde

Quando eu era criança havia uma receita da família que todas as mães usavam. Consistia em bater no liquidificador um maço de salsinha com um tanto de cebola e alho. Virava um tempero pastoso e verdinho que deixava a cozinha mega cheirosa quando era usado... E baseada nesse tempero da infância, resolvi fazer o meu próprio! Vale pra quem tem pressa, pois ele pode ser usado pra cozinhar arroz, fazer manteiga temperada, colocar no molho pra salada, pra refogar... mil opções! E você ainda pode substituir o manjericão por outra erva verde fresca, como salsinha, coentro, etc.

Você vai precisar de:
1 maço pequeno de manjericão fresco
2 cebolas pequenas (usei em conserva)
Vários* dentes de alho (usei em conserva)
3/4 xícara de azeite
Sal (opcional)

Como proceder:
Coloque no copo do liquidificador todos os ingredientes (o manjericão pode até ir com talinhos e tudo) e vá acrescentando o azeite enquanto bate. Se necessário, adicione um pouquinho de água para facilitar, mas não exagere para que o tempero não fique líquido.
Conservar em pote de vidro desinfetado na geladeira.

* não contei quantos dentes coloquei, mas foi mais que uma cabeça de alho, com certeza!

Obs.: como eu tinha aqui em casa uma conserva caseira de cebolas e alhos e foi o que usei, acabei colocando menos azeite (usei o próprio azeite da conserva tambem, pra garantir o aroma). Você pode aumentar ou reduzir a quantidade de azeite de acordo com a potência do seu liquidificador e o seu gosto =)